Professora de Novas Tecnologias da Faculdade Casper Líbero, Daniela Ramos, escreve sobre blogs.

Tipo, texto publicado no site da Faculdade de comunicação e jornalismo:

Blogs são diários adolescentes, mas podem ser Jornalismo Por Daniela Ramos, professora de Novas Tecnologias

“O computador é uma mídia do inacabado”, proclama Peter Lunenfeld: os weblogs, popularmente conhecidos como “blogs” são, talvez, a expressão mais visível do que temos visto nos últimos anos como um exemplo da escrita fragmentária e inacabada. O texto neste suporte está sempre em processo e chega ao extremo de proporcionar que cada pessoa seja uma mídia em potencial, já que basta preencher um cadastro e publicar um blog na internet. Não demorou muito para a prática criar polêmica entre os jornalistas. Seria possível que o blog fosse uma nova forma de se fazer jornalismo? Ou seriam eles apenas suporte para diários públicos de adolescentes?

Longe de ser apenas uma coisa ou outra, os gêneros de blogs variam enormemente, assim como a diversidade da personalidade humana. O que podemos identificar com certa precisão é que o jornalismo está evidentemente em crise e que este panorama favorece o surgimento de mídias e suportes alternativos de informação.

Entre outras razões para esta crise, a idéia da imprensa como um guardião de informações que decide o que o público deve ou não saber (o conceito gatekeeper), por exemplo, perde seu lugar na sociedade contemporânea. É impossível competir com diversas opções de informações – e, mais ainda, com milhares de indivíduos dispostos a serem emissores de informação através dos seus weblogs. Os leitores “se converte(m) não em consumidores, mas em “promidores”, um híbrido de produtor e consumidor”, na opinião de Bill Kovach e Tom Rosenstiel, expoentes do media criticism americano.

Na Columbia Journalism Review de setembro e outubro de 2003, Matt Welch cita quatro pontos de contribuição dos blogs para o jornalismo: “personalidade, função testemunhal, filtro editorial e incontáveis gigabytes de novo conhecimento”. Já que cada blog pode ser mantido individualmente, é natural que a personalidade singular e o senso crítico sejam armas para a conquista de um público leitor. A função testemunhal dos blogs se popularizou principalmente na guerra do Iraque com o controverso blog de Salam Pax, Where is Raed?, que supostamente escrevia a partir de Bagdá descrevendo o conflito, suas reações e a dos familiares. A veracidade do blog de Salam foi contestada, mas mesmo assim este não deixou de ser um sucesso. Do outro lado, soldados americanos mantinham o Military Families Weblog para dar notícias às famílias dos soldados de Kansas. O blog está hospedado em um portal e para ser acessado precisa ser pago.

A função de “filtro editorial” também é exercida por blogs como o Robot Wisdom Weblog, que, como a própria função define, “filtra” notícias de vários periódicos (neste caso, todos em inglês). No Brasil, podemos citar o weblog coletivo e crítico Intermezzo, que tem um intercâmbio de informação com o movimentado Jornalismo e Comunicação, de Portugal. O objetivo é oferecer um serviço de seleção de notícias aos leitores, baseado na credibilidade e na opinião do(s) autor(es). No caso do blog brasileiro e português, o foco é a mídia digital.

Os “promidores” passam a exercer funções até então reservadas a jornalistas profissionais: “escolher pautas, julgar a credibilidade das fontes, escrever títulos, procurar fotografias, descobrir estilos de escrita, lidar com os leitores, construir audiência, conviver com calúnias, e ocasionalmente conduzir investigações por conta própria”, continua Welch. Se é verdade que o jornalismo perde a cada dia valores que o sustentavam anteriormente, como a independência de anunciantes, também é verdade que esses valores estão sendo incorporados por jornalistas – ou não – que ainda acreditam na liberdade editorial.

Jornalismo X Diários - A inevitável semelhança dos blogs e diários causa comoção no meio jornalístico. No entanto, nos conta Rosa Oliveira em pesquisa de mestrado desenvolvida na Universidade Federal da Bahia, que a internet, de certa forma, recuperou um gênero de diário que já existia: “(...) os diários públicos são tão antigos quanto a própria escrita. Esta categoria está associada a uma tradição de escrita comunitária que, por muitos séculos, cumpriu uma função de divulgação pública de fatos e eventos análoga à que hoje desempenham os jornais (newspapers)”.

A proximidade dos weblogs com os diários acarreta também mudanças no estilo de texto; um blog definido como “jornalístico” não necessariamente seguirá as regras estabelecidas tradicionalmente. Pelo contrário, a linguagem precisa ser adaptada ao meio no qual o jornalista está inserido. No caso do weblog mantido por um ou mais emissores, este estilo será informal. É inevitável que este fato influencie a forma como o texto é praticado no campo do jornalismo. Possivelmente veremos uma crescente valorização de textos em primeira pessoa e com função testemunhal, também no impresso.

Se olharmos para a história dos diários, veremos que foi somente no final do século XIX que a prática começou a ser encarada como o “livro do eu” - fato que coincide com a consolidação da classe burguesa e da noção da individualidade a partir do surgimento da psicanálise, com Sigmund Freud. A partir de então, cada vez mais o indivíduo adquire importância na cultura ocidental, no sentido de que cada um é consumidor e produtor de informação em potencial.

O fenômeno dos weblogs, que representa a “encarnação” da possibilidade da mídia de um homem só, vem confirmar o quanto a informação on demand, disponível a qualquer hora, em qualquer lugar, para qualquer pessoa que possa pagar, ainda trará conseqüências e desdobramentos para o campo da Comunicação e do Jornalismo.

veja links recomendados no site da faculdade

Sentiu firmeza?

Vestibular, Jornalismo e Webcam

Technorati Tags: , , , ,

Editoria:

Add new comment

HTML com quebra

  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Allowed HTML tags: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <blockquote> <h4> <h3> <p> <img>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
CAPTCHA
Esta questão é necessária para prevenir spam :(
5 + 5 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.

Regras e Regulamentos

Atenção:

Não há censura de opinião nos comentários, mas o vc é o responsável pelo que escrever. Ou seja, aqui vale o Yoyow (You Own Your Own Words).

Lembre-se: Opinião é diferente de informação.

Informações sem fonte ou que não puderem ser checadas facilmente podem ser deletadas.

Serão apagadas sem dó mensagens publicitárias fora de contexto, spam usado para melhorar a posição de sites e outras iniciativas de marqueteiros pouco éticos.

Respeite as regras básicas Netiqueta.

Grosserias desacompanhadas de conteúdo, coisas off-topic e exagero nas gírias ou leet que dificultem o entendimento de não-iniciados tb não serão toleradas aqui.

Vou apagar sumariamente todos os comentários escritos inteiramente CAIXA ALTA, mensagens repetidas e textos que atrapalhem a diagramação do site.

Além de prejudicar, a leitura é falta de educação.

Não publique tb números de telefone, pois não tenho como checá-los. As mensagens com números de telefone serão apagadas inteiras.

Obviamente, qq conteúdo ilegal tb será deletado sem discussão.

Evite também mensagens do tipo "me too" (textos apenas concordando com o post anterior sem acrescentar algo à discussão).

Clique aqui para ver algumas dicas sobre como escrever um texto claro, objetivo e persuasivo.

Todas os comentários são considerados lançados sobre a licença da Creative Commons.

Se você não quer que seu texto esteja sob estes termos, então não os envie.